Optikad

Tecnologia de ponta para sala de corte e confecção industrial

A Tecnologia Assusta? Costura Perfeita Nº 86

O que se pode observar é uma realidade bastante crítica, fundamentada, ao nosso ver, em três fatores que  consideramos fundamentais:

  1. A total falta de estrutura educacional de nosso país, que não forma técnicos qualificados na proporção e no nível que o mercado necessita.
  1. Os baixos salários, particularmente na mão de obra básica das confecções, como costureiras, enfestadores, cortadores, etc…

Costureiras atualmente, somente as “tiazinhas” ou os bolivianos. Jovens meninas hoje, diante os salários oferecidos pelo setor, além das condições de trabalhos exigidas, preferem se aventurar em shoppings, como vendedoras, balconistas, etc..

Quantos aos profissionais de enfesto e corte, muitos deles buscam opção no mercado informal de trabalhos, onde provavelmente ganham mais, com menos esforço.

  1. O item anterior é agravado ainda pelo nível de educação das pessoas que ocupam esses cargos. Há uma total falta de valores, como responsabilidade, compromisso e assiduidade, que são fundamentais para o bom desempenho da produção de uma empresa.

Recentemente, conversando com um de nossos clientes, ele nos relatou que numa determinada semana “convidou” seus cortadores de tecido para uma jornada de horas extras num sábado. Todos concordaram, porém, no sábado, ninguem apareceu.

Entretanto, exceção feita às costureiras, a maioria das confecções no Brasil estão muito atrasadas quando falamos em Automação Industrial, onde um grande número de encarregados de trabalhos excessivamente mecânicos, e que já não se encontra disponível no mercado, são substituídos por um técnico especializado, como é o caso do corte de tecidos. No nosso caso, esse técnico é treinado pela própria Optikad em regime de produção.

Nossa automação, além dessa profunda substituição de mão de obra, reduz o tempo operacional e proporciona total precisão do corte, o que aumenta a produtividade dos setores subsequentes de fabricação.

Um outro fator associado, e que agrava substancialmente esse problema para o confeccionista, é a política trabalhista totalmente equívoca empregada em nosso país, que no fundo não beneficia nenhuma das partes: nem patrões, nem empregados. Basta que se olhe para a situação atual do Brasil.

Alguns especialistas da área poderão apontar outros fatores para abordar o problema, porém, se for efetuada uma pesquisa de opinião junto aos fabricantes, certamente ela apontará para isso, pois é o que ouvimos todos os dias.